Em busca de Sentido – por Renata Sottero

É com grande alegria que inicio essa nova jornada com vocês. Para tal gostaria de convidá-los à seguinte reflexão:

Quando já não somos capazes de mudar uma situação, somos desafiados a mudar a nós próprios

 

Essa frase foi retirada do livro “Em busca de sentido” de Viktor Frankel. Viktor foi um psiquiatra austríaco que sobreviveu ao campo de concentração em Auschwitz. Em seu livro ele conta, entre outras experiências, sobre um curioso fato em relação a muitos sobreviventes daquela situação.

Existia um denominador comum entre eles. Curiosamente, essas pessoas haviam encontrado um sentido para sua experiência, para o momento cruel e de sofrimento que estavam enfrentando.

As análises posteriores revelaram que essas pessoas se viam em situações fora do ambiente no qual estavam inseridas, e ali, realizavam outras coisas. Elas tinham algo para fazer apesar de estarem presas a uma situação da qual, aparentemente, não havia saída a não ser o extermínio.

A narrativa nos conta que o próprio Viktor havia se comprometido a analisar e relatar sua experiência, assim como de outras pessoas, quando estivesse fora dali. Isto é, quando fosse libertado, ele precisava divulgar seu manuscrito!

 

A principal preocupação da pessoa não consiste em obter prazer ou evitar a dor, mas antes, em ver um sentido em sua vida

 

Esse compromisso que ele mesmo se atribuiu, fez com que ele acessasse suas forças mais intrínsecas para a sua sobrevivência naquela situação. Aquilo tudo não passava de uma situação temporária, era uma experiência, por mais cruel e dolorosa que possamos imaginar.

De acordo com a logoterapia (criada pelo Dr, Frankel) existem três formas de encontrar sentido na vida:

  1. Criando um trabalho ou praticando um ato;
  2. Experimentando algo ou encontrando alguém;
  3. Pela atitude que tomamos em relação ao sofrimento inevitável

 

Se é que a vida tem sentido, também o sofrimento necessariamente o terá”

 

Seguindo por essa linha de pensamento, que eu costumo trabalhar muito com meus clientes, é fundamental encontrar um sentido para aquilo que estamos fazendo e/ou para nossa vida de maneira geral. Quando atribuímos um significado para algo, aquilo se torna forte e “concreto” e serve de apoio para enfrentar qualquer adversidade ou sofrimento. É o combustível que nos fará manter o foco no nosso objetivo.

Por isso é importante não sucumbir e “entregar os pontos” diante dos obstáculos.  O termo “finis” significa: fim e meta. Muitas vezes é essa situação externa extremamente desafiadora e dolorosa que traz a pessoa, a oportunidade de crescer interiormente além de si mesma.

 

Sempre e em toda parte, a pessoa está colocada diante da decisão de transformar sua situação de mero sofrimento numa realização interior de valores

 

Dr. Marshall Goldsmith, renomado coach americano, costuma dizer que o que trouxe você até aqui, não o levará adiante.  Sendo assim, qual decisão você pode tomar para colocar um sentido ao seu momento e enfrentar os desafios que o levarão ao próximo patamar?

Vai preferir colocar um fim ou uma meta?

Quem tem porque viver pode suportar quase qualquer como (Nietzsche)

 

Nos próximos textos, compartilharei com vocês algumas técnicas e ferramentas que ajudarão nesse processo.

Até lá.

Renata Nanô Sottero

 

Referências: Em Busca de Sentido (Viktor Frankel – Ed. Vozes)

Créditos das Imagens: Pixabay.com
Renata Nanô Sottero inspira pessoas e empresas a realizarem seus objetivos mais elevados. É sócia e consultora da Neo B – empresa de geração de valor especializada em coaching, mentoria e treinamentos – possui mais de 15 anos de experiência corporativa com vivências internacionais em diversos ramos incluindo varejo e mercado de luxo. Bacharel em Administração de Empresas com especialização em Comércio Exterior. Coach com certificação internacional pela Sociedade Brasileira de Coaching e pelo CAC (Center of Advanced Coaching), palestrante e estudiosa na área de desenvolvimento humano.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.